sábado, 2 de julho de 2016

Prefeito de Itaporanga acaba de vender folha de pagamento dos servidores para a Caixa por R$ 400 mil; Informação que o blog cantou em outubro de 2013...

Exclusivo: Os servidores da Prefeitura Municipal de Itaporanga passarão a receber seus salários a partir de agora através da Caixa Econômica Federal. Para o gerenciamento da folha de pagamento, a Caixa estará pagando ao município um valor de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais). 
O prefeito de Itaporanga, professor Audiberg Alves (PSB) acaba de "vender" os direitos sobre a folha de pagamento do funcionalismo público municipal, que até ontem era de responsabilidade do Banco do Brasil.
Audiberg homologou o negócio nesta sexta-feira (1º) com a dispensa de licitação nº 010/2016 com base no Parecer da Comissão Permanente de Licitação e da Assessoria Jurídica do Município e outras informações que constam nos autos, fundamentado no Art. 24, Inciso VIII, da Lei nº 8.666/93 e alterações posteriores, em favor da Caixa. 
A Caixa ficará responsável pela prestação de serviços financeiros e outras avenças e pagamento de salários de servidores públicos, funcionários contratados temporários por excepcional interesse público e comissionados da administração pública municipal. O contrato foi firmado entre a Caixa, representada pelo superintendente regional, Sr. Anacleto Grosbelli, e o prefeito Audiberg Alves.

Mantendo o dever com seus leitores, o blog informou sobre essa negociação em post publicado no mês de outubro de 2013. O que mostra a responsabilidade e credibilidade da nossa fonte e do nosso trabalho. Vejam acessando o link a seguir:
Após dá prazo de 120 dias para o BB desocupar prédio aonde funciona agência local prefeito de Itaporanga abre negociação com a Caixa para "venda" da folha de pagamento do funcionalismo municipal...

sexta-feira, 1 de julho de 2016

Talonários eletrônicos começam ser utilizados em fiscalização nas rodovias da PB

 
O talonário eletrônico já começou a ser utilizado para cobrança de multas nas rodovias da Paraíba. A nova tecnologia implantada pelo Departamento Estadual de Trânsito (Detran-PB) vai garantir mais segurança nas rodovias e otimizar o trabalho de fiscalização. Em João Pessoa, o Batalhão de Policiamento do Trânsito (BPTran) realizou uma blitzen inaugural na Avenida Hilton Souto Maior. Os talonários eletrônicos cobrirão toda a Paraíba, eliminando possíveis equívocos na aplicação das multas.  
De acordo com a tenente Alecsandra de Pontes, chefe de Estatística do Batalhão de Policiamento de Trânsito (BPTran), todas as companhias do estado já estão com o aparelho e já está autorizado o seu uso. “Hoje mesmo as guarnições já saíram com os talonários eletrônicos”, disse a tenente, nesta sexta-feira (01). 
O comandante do BPTran, o coronel Almeida Martins, disse que o equipamento será utilizado nas operações. "As operações são as normais de sempre, chamadas operação Moto Segura, Moto Legal, Impacto, Sossego, essas operações que já são desencadeadas pela Secretaria de Segurança e Defesa Social. O ingrediente diferencial é sair do papel para a tecnologia", frisou. De acordo com o coronel, a nova tecnologia já tem surtido efeito na redução da margem de erro, com uma relevante diminuição no índice de perdas.
O talonário possibilita não apenas mais agilidade ao trabalho e menos erros nas autuações, como também mais segurança, já que é possível consultar informações dos condutores e dos veículos, restrições judiciais e até mandados de prisão em aberto.
“Com o talonário eletrônico muitas informações são preenchidas automaticamente, quando você coloca uma placa de um veículo, o CPF de uma pessoa, muitas informações já são preenchidas automaticamente, então os erros diminuem bastante, consequentemente diminuindo custo para o Estado”, explicou, pontuando que as blitzen se tornarão mais rápidas e eficientes. 

Clima de descontração marca reunião de Temer com militares para assinatura de decreto que devolve poderes aos comandantes das Forças Armadas...

Foi em clima de descontração com os milicos que Michel Temer assinou um decreto que devolve aos militares autonomia para tomada de decisões relativas à gestão e ao comando das tropas, retirado pelo então ministro da Defesa Jaques Wagner.
Na reunião realizada agora pela manhã no Planalto, todos caíram na gargalhada quando Temer contou que certa vez precisava conversar com o atual ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, “fora dos holofotes”. O presidente então ligou para Moraes e pediu para que ele o encontrasse em uma barbearia em São Paulo.
Ao que prontamente o ministro, que é careca e imberbe, respondeu: “O senhor não acha que vão me perguntar o que eu fui fazer em uma barbearia?” (com Vera Magalhães)

Sem análise do TSE, 'vaquinha' virtual para campanha eleitoral segue proibida...

Os candidatos que disputarem as eleições municipais de 2016 não poderão usar aplicativos ou sites de financiamento coletivo para fazer "vaquinhas" virtuais, o chamado crowdfunding, com o objetivo de arrecadar recursos para suas campanhas eleitorais.
O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu nessa sexta-feira (1º/07) não analisar uma consulta apresentada pelos deputados Alessandro Molon (Rede-RJ) e Daniel Coelho (PSDB-PE) na semana passada. Eles fizeram nove questionamentos sobre à Corte, sobre a forma como as doações poderiam ser feitas e registradas e até se poderiam e até se poderiam começar antes do período eleitoral.
Atualmente, as pessoas físicas que quiserem ajudar financeiramente um candidato devem fazer a doação através do canal oficial da campanha do candidato, do partido ou da coligação. No ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) proibiu as doações de empresas para campanhas eleitorais. 
A relatora do caso, ministra Maria Thereza de Assis Moura, alegou que a criação de aplicativos ou de plataformas de arrecadação não está previsto na legislação e votou para que a Corte não desse conhecimento à consulta, ou seja, para que os ministros nem analisassem o caso.
Na breve discussão, o ministro Henrique Neves concordou com a colega e sugeriu que o Congresso Nacional defina as novas regras para arrecadação de pessoas físicas. Os demais ministros seguiram o entendimento e decidiram por unanimidade não proceder com a análise do caso.  

STF suspende ação de juízes contra jornal que revelou supersalários no PR...

A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (STF), reconsiderou sua posição anterior e deferiu liminar suspendendo as 42 ações movidas por juízes do Paraná contra o jornal Gazeta do Povo e seus jornalistas que ousaram publicar uma série de reportagens que mostrava a remuneração paga pelo Tribunal de Justiça (TJ) e pelo Ministério Público do Paraná (MP), mostrando casos de magistrados que receberam, em média, mais de R$ 500 mil durante o ano de 2015. As reportagens se basearam em informações disponíveis nos portais da transparência.
Pela decisão de Rosa Weber, o STF vai decidir quem julgará essas 42 ações, protocoladas em inúmeros municípios do Estado com o objetivo claro de dificultar a defesa dos processados. Houve até casos de audiências marcadas na mesma data e horário em diferentes cidades. As ações foram combinadas pelos juízes durante uma assembléia da entidade que os representa, quando inclusive ficou combinado que uma “minuta” da ação seria distribuída entre eles. Quem não movesse os processos os julgaria. Os processos são movidos por promotores e magistrados que querem indenização por “danos morais”. As reportagens tinham como base dados dos portais da transparência da própria Justiça e do MP. 
A ministra Cármen Lúcia, que assumirá em setembro a presidência do STF, já havia se posicionado sobre o assunto, durante evento sobre jornalismo investigativo, afirmando que os magistrados são parte interessada e, por isso, não podem julgar o caso. “O que for considerado como atingindo expectativa, interesse ou direito vai se entrar no poder Judiciário, vai se ingressar, na condição de parte. Por isso que chamei a atenção que não sabemos a decisão que um juiz pode provocar. Porque, realmente, se ele tiver qualquer impossibilidade de julgar com imparcialidade, a parte contra aquele jornalista ou aquela empresa jornalística que ele considerou, esse juiz não poderá julgar”, afirmou.

Elegância irradiante da ex-primeira-dama dona Marisa Procópio, em Itaporanga...

 
Em breve périplo pela Avenida Getúlio Vargas, durante a última noite de festejos de São Pedro de nossa amada terrinha - Itaporanga, tivemos a grata satisfação de abraçar a ex-primeira-dama [por dois mandatos: 1989/1992 - 2000/2004], dona Marisa Procópio Rodrigues cercada por sua família, claro, liderada pelo ex-prefeito Will Rodrigues. 
Mulher honrada, mãe exemplar, companheira de todas as horas, dona Marisa imprime como ninguém a elegância que lhe é peculiar, notada de longe. Bastante religiosa, sempre procura em sua devoção à Nossa Senhora o melhor dos conselhos para continuar guiando com decência sua prole. É uma pessoa pela qual temos grande respeito e admiração.
Na oportunidade, estendemos nosso abraço e com igual satisfação aos ex-prefeitos Will e a Dr. Djaci Brasileiro. São duas referências que têm história. Mais novidades vamos deixar pra semana que vem!!!

Luiza Brunet foi espancada pelo marido e teve quatro costelas quebradas...

Luiza Brunet, 54 anos, está muito abalada. É que, na madrugada do dia 21 de maio, a querida ex-modelo e atriz diz ter sofrido uma série de agressões de seu companheiro há cinco anos, o empresário Lírio Albino Parisotto, no apartamento dele, no Plaza Residence, em Nova York. No dia seguinte, escondida, ela pegou um voo direto para o Brasil. A queixa foi representada no Ministério Público de São Paulo com o laudo de corpo de delito do IML feito por ela.
A agressão de Lírio, segundo Luiza, começou no restaurante onde eles estavam jantando com amigos. Ao ser perguntado se o casal iria a uma exposição de fotos, Lírio se exaltou. Disse que não iria porque da última vez ele foi confundido com o ex-marido de Luiza, Armando. Daí por diante, ele teria se descontrolado. Luiza, educadamente, mandou mensagem pelo celular às outras pessoas que estavam sentadas à mesa.
— Fui para Nova York acompanhá-lo para o evento Homem do Ano. Saímos do restaurante e pegamos um Uber. Ao chegar ao apartamento, ele me deixou dentro do carro e subiu — conta Luiza.
A atriz conta que subiu logo depois e se sentou numa poltrona, onde os dois sempre fumavam e paravam para conversar. Lírio já estava de roupão e, segundo Luiza, partiu para cima dela, ofendendo-a verbalmente. Logo depois, deu um soco em seu olho, seguido de chutes. Luiza diz que ele a derrubou no sofá e a imobilizou violentamente até quebrar quatro costelas dela. Ela só conseguiu se desvencilhar depois que ameaçou gritar pelo concierge. Então, trancou-se no quarto e só saiu de lá no dia seguinte, após ter certeza de que ele não estava no apartamento, e voltou ao Brasil:
— Eu sempre tive uma família estruturada e sempre fui discreta em minha vida pessoal. É doloroso aos 54 anos ter que me expor dessa maneira. Mas eu criei coragem, perdi o medo e a vergonha por causa da situação que nós, mulheres, vivemos no Brasil. É um desrespeito em relação à gente. O que mais nos inibe é a vergonha. Há mulheres com necessidade de ficar ao lado do agressor por questões econômicas, porque está acostumada ou mesmo por achar que a relação vai melhorar.
Luiza, a Madá de “Velho Chico” e musa da Dijon no final dos anos 70 e início dos 80, é mãe de Yasmin e Antônio, fruto de seu relacionamento com o empresário argentino Armando Fernandez, com quem ficou casada de 1984 a 2009.

Fonte: O Globo Créditos: Ana Cláudia Guimarães

TCE aponta João Pessoa como a cidade mais transparente da Paraíba, enquanto, Catingueira, Emas e Olho D'água estão em vergonhosa posição...

TCE_Rizemberg Felipe
 Relatório da Transparência Pública na Paraíba,  divulgado nesta sexta-feira (1º), apresentou João Pessoa como o município mais transparente do Estado, com nota 9,9, enquanto que São José do Brejo do Cruz, no Sertão, ficou em último lugar, com o,5 pontos. O levantamento é elaborado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), em parceria com o Fórum Paraibano de Combate à Corrupção (Focco), o Tribunal de Contas da União (TCU), a Controladoria Geral da União (CGU) e o Ministério Público Estadual (MPE). O levantamento leva em consideração dois quesitos: conteúdo e usabilidade. A série histórica teve início em 2013 e, de acordo o presidente do TCE, tem havido evolução das gestões municipais no quesito transparência.

Confira o ranking:

Mais transparentes              nota geral

1º João Pessoa                            9,90
2º Frei Martinho                        9,45
3º Pombal                                   9,40
4º Juripiranga                            9,15
5º Picuí                                        9,15
6º Nova Floresta                        9,00
7º Sobrado                                  8,95
8º Arara                                      8,95
9º Guarabira                              8,90
10º Sertãozinho                         8,85

Menos transparentes          nota geral

223º São José do Brejo do Cruz     0,50
222º Curral de Cima                       1,40
221º Catingueira                              1,95
220º Poço Dantas                            3,10
219º Emas                                        3,15
218º Olho d’Água                            4,05
217º Cacimba de Dentro                5,00
216º Mogeiro                                   5,20
215º Pilõezinhos                              5,20
214º Mato Grosso                           5,25

Irmão itaporanguenses são destaques na defesa do Volta Redonda (RJ)...

Zagueiros da PB são destaques no RJ
A aparência até ajuda mas é o sotaque que entrega a origem: Maílson e Márcio Paraíba não passariam muito tempo no mesmo lugar sem assumirem que são irmãos. A dupla, que se dá muito bem fora das quatro linhas, vem levando a afinidade pra dentro de campo e ajudando a manter a invencibilidade da defesa do Volta Redonda na Série D Brasileirão.
— É uma satisfação, um privilégio ter um irmão na mesma profissão, jogando junto, fazendo o que mais gosta. Levamos essa relação boa pra dentro de campo com muito respeito. A gente sempre conversa muito no dia a dia pra fazer tudo dentro de campo dar certo – explicou Márcio Paraíba, de 31 anos.
São três jogos até aqui e nenhum gol sofrido. Foi a saída do capitão Luan para o exterior que abriu espaço para Márcio jogar ao lado do irmão — a primeira vez na carreira juntos como titulares. Maílson chegou primeiro, no início do ano, para o Campeonato Carioca. Atual campeão indiano pelo Chennaiyin, mas também por ser homem de confiança do treinador Felipe Surian — os dois já trabalharam juntos no Tupi-MG.
A volta para o Brasil do irmão mais novo — Maílson tem 28 anos — também tinha outra motivação: ajudar a trazer Márcio Paraíba, acostumado a rodar por clubes do nordeste, para sudeste, o principal centro do futebol no país. Mas não quis interferir na escolha do clube e só revelou que eles eram irmãos depois que Márcio já tinha sido contratado.
— Quando o time tava precisando de zagueiro para a Série D, indiquei o Márcio sem falar nada. Mostrei o material dele e eles gostaram muito. No final, quando tava tudo certo, eu contei que era meu irmão e acabou que todo mundo ficou feliz – contou Maílson. A boleiragem no sangue é herança do pai, Seu José Veriato, conhecido como Deda em Itaporanga, no interior da Paraíba. Foi ele quem mostrou aos meninos, que jogavam bola nos campinhos de terra do Conjunto Miguel Morato, que a brincadeira poderia virar um caminho pra vida. Contra tudo e contra todos.
— Todos falavam que futebol não dava futuro. Ele foi o único que acreditou. Foi muito difícil ver uma cidade pequena falar que a gente não tinha condicoes de chegar lá. Meu pai investiu o pouco que ele tinha a a gente foi a vitória dele – contou Maílson.
Os irmãos começaram juntos no Cruzeiro de Itaporanga, em 2005. No ano seguinte, foram para o CRB, de Alagoas, onde ficaram durante duas temporadas. Com cuidado.
— A gente morava junto quando jogávamos no CRB, no mesmo apartamento. Ele sempre foi um cara alegre, lembro um jogo que ele foi entrar, contra a Ponte Preta, na Série B, em 2007. Eu tava com medo de que ele fizesse alguma coisa errada. Aí a bola sobrou pra ele na entrada da área, eu gritei “Tira a bola!”. Ele driblou o atacante, saiu jogando, virou pra mim e disse: “Relaxa, garoto” – lembrou Maílson, aos risos.
Depois seguiram caminhos diferentes até o reencontro quase 10 anos depois em um Volta Redonda ambicioso: quer muito o acesso para a Série C, para consolidar a imagem do clube no cenário nacional. Maílson e Márcio Paraíba são peças importantes nesse caminho, mas também personagens para contar boas histórias.
Foto: Márcio Paraíba/Arquivo Pessoal - Globo Esporte

Desembargador paraibano Murilo da Cunha Ramos critica decisão do ministro (do STF) Toffoli de soltar Paulo Bernardo: “perigoso precedente”

O desembargador do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB), Márcio Murilo da Cunha Ramos, se mostrou preocupado com o possível precedente que se abre com a decisão do ministro do Superior Tribunal Federal, Dias Toffoli, de soltar o ex-ministro Paulo Bernardo, preso na Operação Custo Brasil por exatos seis dias.
“Se mantida sua interpretação de Habeas de ofício, suprimindo instância: imagine se os advogados a partir de agora fizerem milhares ou quiça milhões de pedidos constitucionais, para que, em atalho, o ministro aprecie como Habeas Corpus! Um caos! Em toda minha vida judicante já divergi de muitas decisões do STF, mas sempre via um coerente viés de interpretação. Essa liminar foi a que mais me causou espécie”, questionou o paraibano através de seu perfil em uma rede social.
Na decisão que revogou a prisão de Bernardo, Toffoli entendeu que cabe ao juiz do caso, Paulo Bueno, da 6ª Vara Criminal de São Paulo, avaliar a necessidade de aplicação de medidas cautelares alternativas. Essas medidas estão previstas no Código de Processo Penal e incluem prisão domiciliar, uso de tornozeleira eletrônica e comparecimento periódico à Justiça. (Por Janildo Silva)

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Polícia Federal age em Patos na operação batizada de ‘Desumanidade’; Emas é uma das cidades investigadas nesse esquema de corrupção...

pf-federal
Não é a Lava Jato, mas a Polícia Federal e o Ministério Público estão nas ruas de Patos com uma “Operação Desumanidade”, cujo batismo é característico ao esquema de corrupção que está sendo investigado nas cidades de João Pessoa, Patos, Emas, Quixaba e São José de Espinharas. 
A etapa da operação deflagrada nesta terça-feira (28) é “braço” da mesma realizada em dezembro passado e, como de costume, investiga um suposto esquema de desvio de recursos públicos em obras na região do Sertão da Paraíba. Neste momento, já foram cumpridor 14 mandados de condução coercitiva, aquela levada sob vara para depor na sede da Polícia Federal de Patos, além de três prisões preventivas.
A denúncia é de um esquema que envolve gestores públicos e empresas da construção civil, que desvia recursos públicos de obras investidas nas áreas de Saúde e Educação. Patos tem sido centro das operações da Polícia Federal, também do Ministério Público Federal, que estão sempre realizando o trabalho em conjunto com outros órgãos de fiscalização.

RC promove mudanças em sua equipe de auxiliares; saiba quem entra e quem sai...

Já disponível na internet, a edição desta quarta-feira (29) do Diário Oficial do Estado traz uma série de modificações na equipe de auxiliares do governador Ricardo Coutinho (PSB). São dezenas de nomeações, exonerações e remanejamentos.
Conforme especulado pela imprensa, o deputado estadual Ricardo Barbosa (PSB) foi nomeado para a Secretaria Representação Institucional do Estado, com sede em Brasília. Com a ida do parlamentar socialista para o Poder Executivo, o vereador Raoni Mendes (DEM), suplente de deputado, assumirá o mandado na Assembleia Legislativa.
O deputado estadual licenciado Lindolfo Pires (PROS) foi remanejado da Secretaria de Representação Institucional do Estado para Secretaria de Turismo e do Desenvolvimento Econômico, até então ocupada por Laplace Guedes, que foi designado para ocupar a Secretaria Executiva de Energia e do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).
O Diário Oficial traz, ainda, a nomeação de Bruno Roberto, filho do deputado federal Wellington Roberto (PR), para a Secretaria de Estado da Juventude, Esporte e Lazer. O medalhista olímpico Zé Marco, que vinha respondendo interinamente pela Sejel, volta à condição de secretário executivo.

Na Câmara
A mexida do governador Ricardo Coutinho em seu secretariado acabou gerando mudança também na Câmara Municipal de João Pessoa já que, com a ida do vereador Raoni Mendes para a Assembleia Legislativa, a suplente Sandra Marrocos (PSB) assumirá a titularidade do mandato no Parlamento da Capital.
Clique  aqui para acessar a edição completa da edição desta quarta Diário Oficial do Estado.

domingo, 26 de junho de 2016

Que Safadão que nada; atração dos festejos juninos em Patos foi Daniella Cunha...

dani-cunha
A principal atração do São João de Patos não foi Wesley Safadão. No entanto, acertou que mencionou o nome de Daniella Cunha, convidada de honra dos “Motta”, da prefeita Francisca, do deputado federal Hugo e do deputado estadual Nabor Wanderley. Ela ganhou destaque durante a abertura das festividades por ser filha do réu Eduardo Cunha (PMDB-RJ), encrencado com o propinoduto da Petrobras e outras “cositas” mais.
Daniella está sob investigação, também encrencada como pai. Pior: está nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, um risco para qualquer cidadão ou cidadã presente na “Republica de Curitiba”. Ao contrário, por causa do foro privilegiado o presidente afastado da Câmara está com o seu caso sob a responsabilidade do Supremo Tribunal Federal (STF).
Não é a primeira vez que Daniella passa as festividades juninas em Patos, um dos melhores do gênero na Paraíba. Debaixo do guarda-chuvas dos “Mottas” tem sido uma personalidade já conhecidas dos patoenses. Durante um bom período Daniella prestou serviço para o deputado Hugo Motta, trabalhando no marketing do parlamentar. Ele é neto da prefeita Chica Motta.
Na abertura do São João da cidade, Daniella Cunha fez vários registros fotográficos ao lado de personalidades de Patos, entre os quais jornalistas e gente da sociedade local. Fez questão de publicá-las nas redes sociais, a exemplo da foto acima. Ela está na mira da operação Lava Jato por ter sido beneficiada com despesas pessoais num cartão de crédito ligado à conta na Suíça.
Ela esteve também em Campina Grande curtindo o 'Maior São João do Mundo' e ficou hospedada na casa do deputado federal Aguinaldo Ribeiro (PP), mais cotado para ser o novo presidente da Câmara.
Além do pai ter se tornado réu por duas vezes consecutivas, a mãe e jornalista Cláudia Cruz também é ré no caso, a partir da decisão de Sérgio Moro. Enquanto o “bicho” não pegar, Daniella Cunha segue com a brincadeira e não vai esquecer jamais do São João. Por isso, Wesley Safadão na frente da Daniella Cunha passou desapercebido da mídia local. (com Marcone Ferreira)

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Não escapou nada: O PT desviou até centavos dos empréstimos consignados para aposentados e servidores públicos que rendeu R$ 100 milhões em esquema liderado pelo ex-ministro Paulo Bernador, preso pela PF ontem.

Desde que explodiu a Lava Jato, há dois anos e três meses, o país procura um significado maior de qualquer coisa que resuma essa época. Os brasileiros do futuro talvez selecionem como um destes episódios maiores o assalto do Partido dos Trabalhadores aos aposentados e servidores públicos endividados. Dirão que foi um fato histórico porque só então, com a invenção da propina descontada no contracheque, o PT atingiu o ápice do despudor e da desfaçatez.
O consignado, como se sabe, é um tipo raro de empréstimo. É bom para quem toma dinheiro emprestado porque as taxas de juros são baixas. É ótimo para o banco que empresta porque a prestação é descontada mensalmente do salário do servidor ou da pensão do aposentado. No aperto, milhares de brasileiros aproveitaram. E tornaram-se, sem saber, uma oportunidade que o PT aproveitou.
Entre 2010 e 2015, os milhares de brasileiros que se penduraram no consignado pagaram uma taxa de administração inusual. Estava embutida em cada parcela mensal a cifra de R$ 1,25. Dinheiro destinado a um intermediário chamado Consist Software, contratado pelo Ministério do Planejamento a pretexto de administrar o serviço. 
O ex-ministro Paulo Bernardo [marido da senadora Gleisi Hoffmann] foi preso ontem sob a acusação de liderar a quadrilha que desviou esses R$ 100 milhões de empréstimos consignados contraídos por servidores públicos. Desse total, informam os investigadores, R$ 7 milhões teriam sido para o ex-ministro.
Descobriu-se que a Consist retinha em sua caixa registradora apenas R$ 0,40. Os outros R$ 0,85 viravam propina. De centavo em centavo, foram assaltados R$ 100 milhões. Perto dos bilhões pilhados na Petrobras e no setor elétrico, parece dinheiro de troco. No entanto, entre todos os roubos praticados na era petista, foi esse que acabou com o que restava do melhor legado daquele ex-PT da fase sindical: a sensibilidade social e o respeito ao trabalho. Andrey Borges de Mendonça, um dos 30 procuradores da República que se ocupam da investigação, resumiu o descalabro: “R$ 100 milhões foram desviados de funcionários públicos e pensionistas endividados, que se privaram de medicamentos, e de suas necessidades básicas para abastecer os cofres de corruptos. Isso tem que nos causar indignação, isso não pode ser algo natural da nossa sociedade.”
O que mais assusta na marcha da política rumo à delinquência não é a crueza, mas a hipocrisia. No gogó, o petismo é avesso à privatização. Para incrementar as propinas, admite qualquer negócio. Dispunha de uma empresa pública, o Serpro, para organizar o consignado. Preferiu privatizar o serviço, direcionando-o à Consist. Nada mais natural.
Se a pregação de líderes pseudo-esquerdistas como Lula havia ensinado alguma coisa era a não esperar nenhum tipo de hesitação altruista do capital. Ele opera segundo as regras fixadas na Lei da Selva.
No futuro, quando puderem analisar a conjuntura atual sem ter de tapar o nariz, os brasileiros concluirão: o que assustou as almas mais ingênuas foi a facilidade com que se operou a autodissolução do PT como partido político e a rapidez com que a legenda estruturou a coalizão que dava suporte aos seus governos como uma lucrativa organização criminosa. A sujeira prosperou tanto que acabou desenvolvendo no Brasil a indústria da limpeza ética, cujo principal empreendimento é a Lava Jato. (com Josias de Souza)

Michel Temer nomeia ex-deputado federal Leonardo Gadelha presidente do INSS

O ex-deputado federal e ex-deputado estadual Leonardo Gadelha (PSC) assumiu a chefia do Instituto Nacional de Seguridade Social – INSS. A nomeação ocorreu após escolha do presidente Michel Temer. Ou seja, ao ascender ao cargo público ele não poderá disputar as eleições municipais deste ano, conforme especulado ser provável candidato a vice na chapa a ser encabeçada pelo deputado federal Manoel Júnior.
Leonardo concorreu às eleições presidenciais de 2014, ocupando a vaga de vice na chapa do pastor Everaldo, do PSC. O filho do ex-senador Marcondes Gadelha é um dos mais qualificados quadros políticos da Paraíba, que assume um cargo público na gestão do presidente Michel Temer.

Prefeita Marcília desiste de disputar à reeleição em prol da reunificação do grupo e vai apoiar Hermes Filho, em Diamante.

 
Mais um prefeito do Vale do Piancó desiste de disputar à reeleição. Depois do prefeito Élio Ribeiro (PT) que decidiu apoiar o vice-prefeito Dedé de Zé Paulo (PSB), à sua sucessão, em Santana dos Garrotes, desta vez foi a prefeita de Diamante Marcília Mangueira (PSB) que decidiu não ir para o embate eleitoral vindouro. 
A decisão foi anunciada ontem, durante reunião na casa de Marcília entre sua base aliada e aliados do ex-prefeito Hércules Mangueira. Com isso, o grupo que estava dividido retorna a ficar unido e mais forte visando o pleito eleitoral de outubro. Com a saída de Marcília e a impossibilidade do ex-prefeito disputar, o nome escolhido para representar o grupo foi o de Hermes Filho (PMDB) - irmão de Hércules.
Vereadores da situação estavam apreensivos por entender que a divisão do grupo só favoreceria a oposição. O presidente da Câmara, coronel Fonseca foi quem puxou pra si a missão de buscar essa reunificação do grupo. (com fotos de Cássio Fotografias)

quinta-feira, 23 de junho de 2016

FPF divulga tabela da 2ª divisão do Campeonato Paraibano...

A 2ª divisão do Campeonato Paraibano vai começar no próximo dia 21 de agosto e será dividida em três grupos: Litoral, Agreste e Sertão. De acordo com o regulamento divulgado pela Federação Paraibana de Futebol, a primeira fase será classificatória, com os 11 clubes divididos em três grupos. As equipes vão disputar jogos de ida e volta dentro de seus grupos e apenas oito times avançam para a 2ª fase. Apenas o último colocado de cada grupo vai ser eliminado na fase classificatória.
Como o Litoral e o Sertão vão ser formados por quatro clubes, três deles se classificarão; no caso do Agreste, formado por apenas três clubes, só dois passam. A partir daí a competição passará a ser eliminatória, com quartas de final, semifinais e final. Todos com jogos de ida e volta.

Primeira rodada e cruzamentos

A rodada de abertura do Campeonato Paraibano da 2ª divisão vai ter Internacional x Spartax e Miramar x Femar, pelo Grupo do Litoral; Sport Campina x Lucena, pelo Grupo do Agreste; além de Nacional de Patos x Sabugy e Nacional de Pombal x Cruzeiro de Itaporanga, pelo Grupo do Sertão. 
Nas quartas de final, o 3º colocado do Grupo do Sertão vai enfrentar o 1º do Grupo do Litoral; o 3º do Litoral joga com o 1º do Agreste; o 2ª do Agreste enfrenta o 1º do Sertão; e 2º do Sertão mede forças com o 2º do Litoral. Importante lembrar que os dois finalistas do estadual sobem de divisão.
Alguns estádios também já foram confirmados pela tabela. No Grupo do Litoral, apenas o Internacional confirmou onde vai mandar seus jogos: no Estádio Teixeirão, em Santa Rita. Femar, Miramar e Spartax ainda não sabem onde vão jogar como mandantes. No Agreste, os confrontos vão acontecer no Amigão.
No Sertão, apenas o Nacional de Patos definiu o José Cavalcanti como local de jogo. Nacional de Pombal, Cruzeiro de Itaporanga e Sabugy também não indicaram estádios para mandar suas partidas.

GloboEsporte

Justiça manda prender ex-ministro Paulo Bernardo e conduz sob vara ex-ministro Carlos Gabas [homem de confiança de Dilma], além de fazer buscas na sede do PT.

A Justiça Federal mandou prender, na manhã desta quinta-feira (23), o ex-ministro petista Paulo Bernardo. Marido da ex-ministra e senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), Paulo Bernardo foi ministro do Planejamento do governo Lula e ministro das Comunicações do governo Dilma Rousseff. O ex-ministro da Previdência Carlos Gabas, homem de confiança de Dilma, foi conduzido coercitivamente para depor na PF.
Federais fortemente armados, com uniformes de campanha [para o combate] ainda estão na sede do PT em São Paulo No total, foram expedidos 11 mandados de prisão preventiva, 14 de condução coercitiva e 40 de busca e apreensão. Os 65 mandados são cumpridos em São Paulo, Brasília, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Paraná. O jornalista Leonardo Atuch, responsável pelo site Brasil 247, também foi conduzido coercitivamente para depor. As residências do casal também são alvos de mandados de busca e apreensão. Também foi preso, mas em São Paulo, o ex-vereador petista Alexandre Romano, que havia sido preso na Operação Pixuleco, uma das fases da Lava Jato.
O ex-ministro foi preso em Brasília, no apartamento em que ele vive com a mulher, na 309 Sul, quadra residencial onde vivem os senadores. Paulo Bernardo, um dos principais íderes do Partido dos Trabalhadores, é investigado junto com Gleisi Hoffmann pelo recebimento de dinheiro roubado no financiamento da campanha dela ao Senado, em 2010. Nesse caso, ambos foram indiciados.
Operação Custo Brasil, um desmembramento da 18ª fase da Lava Jato, deflagrada hoje, investiga pagamento de propina em um contrato de R$100 milhões da empresa Consist, que fazia a gestão dos empréstimos consignados de servidores federais. Paulo Bernardo seria um dos principais beneficiados pela propina, que dividia entre petistas corruptos 70% do valor do contrato.
Recordamos que um frêmito de otimismo percorreu a alma dos encrencados na Lava Jato quando o STF começou a retirar de Curitiba os pedaços da Lava Jato que não tinham relação com o assalto à Petrobras. A Operação Custo Brasil, deflagrada nesta quinta-feira a partir de São Paulo, revela que os otimistas não tinham noção do que os esperava. O ‘Padrão Moro’ de persecução de corruptos foi exportado para outras praças.
“Não é só Curitiba que faz investigações”, disse o procurador Andrey Borges de Mendonça, um dos membros da filial paulista da Lava Jato. Aqueles que “celebraram com champanhe” a retirada de processos da jurisdição de Sérgio Moro e da força-tarefa paranaense, acrescentou Andrey, “hoje tiveram uma demonstração de que as investigações vão continuar onde quer que estejam”. O esquema de mutretas encabeçado pelo petista Paulo Bernardo, ex-ministro de Lula e Dilma, foi desvendado por uma engrenagem estatal que envolveu uma parceira entre a Polícia Federal, a Procuradoria da República e a Receita Federal, exatamente como sucede em Curitiba.
O trabalho dos investigadores foi respaldado pelo magistrado Paulo Bueno de Azevedo, juiz federal substituto da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo. Versão paulista de Sérgio Moro, o doutor é avesso a entrevistas. Tem noção muito clara do seu papel. Em artigo veiculado em 2013 na Revista do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, Paulo Bueno anotou:
“O juiz não pode assumir uma posição de combate ao crime, eis que, nesse caso, estaria no mínimo, se colocando como um potencial adversário do réu, papel que deve ser, quando muito, do Ministério Público ou, em alguns casos, do querelante.”

Dilma doou 625,4 toneladas de feijão à Cuba que agora fazem falta no Brasil, que pela primeira vez na história está sem o produto...

Simplesmente um absurdo o custo do quilo do feijão: R$ 13,00. Isso porque há um desabastecimento em todo o Brasil. É que a presidente afastada Dilma Rousseff (PT) usou os estoques reguladores do governo para doar 625,4 toneladas de feijão a Cuba.
Além disso, o Brasil ainda pagou o transporte do produto doado até Havana. Ou seja, pela primeira vez na história o Brasil está sem feijão.
Esse feijão agora faz falta, porque a falta do produto provoca alta no seu preço, obrigando o presidente Michel Temer a determinar a importação do produto para conter os preços. Em outubro do ano passado, o governo Dilma promoveu mais um leilão de contratação de frete para a remoção dessas 625,4 toneladas de feijão para "doação humanitária" a Cuba. O feijão, tipo 2, foi acondicionado em sacas com 50 kg, cada.
O feijão foi embarcado no porto Navegantes, em Santa Catarina (SC). Também na mesma ocasião, o governo Dilma fez doação semelhante de arroz para a Faixa de Gaza. Arroz que, igualmente, fez falta aos brasileiros.